Pesquisar...

segunda-feira

Meus livros

MISCELÂNEA e POESIA MINUTO - Poema sem título

terça-feira

MISCELÂNEA e POESIA MINUTO - Reticências

MISCELÂNEA e POESIA MINUTO - Observações

quarta-feira

disponível no Clube de Autores e na Amazon

INTRODUÇÃO

O livro Curta a Metragem é uma ideia que há muito vêm tomando forma na simples intenção de organizar mais alguns poemas em forma de livro. São versos menores, mais incisivos, muitas vezes diretos, com a finalidade maior de, por meio da visão cotidiana de pequenos fatos, textos e mensagens, na visão do poeta, fossem incisivas ao máximo possível, “tão incisivo quanto possível em sua confecção”. Assim, da ideia de juntar a produção poética que mais se aproxima ao mundo poético de Paulo Leminski, nasce este livro; na verdade, uma coletânea de pequenos poemas, que esperamos, sejam diminutos apenas na quantidade de versos e grande de significados, é a nossa mais honesta intenção.
Ronaldo Vieira

Disponível no Amazon


AMOR ADOTIVO – Ronaldo Vieira
Amor Adotivo é um livro que mexe com o preconceito social,  no que diz respeito ao amor entre pessoas do mesmo sexo, e apesar disso, trata o tema com leveza e a devida pureza que merece. A história começa com a aparente impossibilidade de uma família ter mais filhos gerados no ventre materno, e a adoção de uma criança (Zetinho), que imediatamente se torna objeto de amor e desejo de outro irmão, também criança (Brando), e por isso, não consegue medir o tamanho e profundidade de seu sentimento cada vez mais entranhado, que o leva à crises de identidade, levando-o por fim a se afastar da família, acreditando ser essa a solução... Porém, o sentimento latente, mesmo com o passar do tempo não sucumbe como imaginara, ao contrário, se torna cada vez mais forte... Então toma a decisão de voltar ao lar paterno para tentar resolver, de uma vez por todas, sua vida e seus temores sobre este sentimento

domingo

Olá amigos o livro ASTOLFO E O PÉ DE EUCALIPTO Já está a venda na Saraiva ou direto comigo, pelo e-mail: ronascri@gmail.com


quinta-feira

A VILA MARIA ZÉLIA: INTERESSES, INTERESSADOS E PONTOS DE VISTA DIVERGENTES SOBRE SUA CONSERVAÇÃO 

Resumo
Entre as vilas operárias que surgiram no início do século XX, todas com interesse de
manter os funcionários mais próximo do trabalho, e por consequência, a disposição dos
empregadores, a Vila Maria Zélia no bairro do Belenzinho em São Paulo, se destaca
como modelo quase utópico, não fosse sua existência constatada e documentada,
mantendo-se historicamente como única representante de um modelo socialista e
ousado, defendido por seu idealizador e proprietário, Jorge Street, que revolucionou de
forma ímpar, o relacionamento entre empregado e empregador de tal forma que, ainda
hoje, moradores da Vila o defendem como um tipo de “santo” benfeitor sem igual na
história. Entretanto, precisam ser analisados, de forma imparcial, os interesses que vão
além do paternalismo de Street, que certamente tinha interesses que iam além do
simples desejo de uma melhor divisão do lucro em prol da qualidade de vida dos
operários ou idealisticamente, de fazer “justiça social”, o que ficou marcado na história
pessoal dos moradores e seus herdeiros, hoje divididos entre os que querem, apenas, a
reforma pura e simples de suas casas, e os que desejam a recuperação e restauração do
local.

disponível em: http://www.uniesp.edu.br/faceq/regs/

quinta-feira

UNIESP – Jandira: bibliotecário da IES lança livro
QUINTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2014
Com o propósito de traçar um panorama geral e auxiliar os discentes e interessados em Biblioteconomia, ciências da informação e áreas afins, o bibliotecário da Faculdade Eça de Queirós - FACEQ, Instituição de Ensino Superior integrante do Grupo Educacional UNIESP, Ronaldo da Mota Vieira, acaba de lançar o seu sexto livro: "Introdução à Teoria Geral de Biblioteconomia", pela Editora Interciência.

Segundo o autor, a obra contém assuntos pertinentes e matérias básicas, sem a pretensão de esgotar ou desenvolver novas teorias sobre qualquer área abordada em suas páginas “Até porque as ciências estão em constante desenvolvimento e novas direções são tomadas constantemente pelos grandes estudiosos do assunto”, disse.

O livro poder ser adquirido na editora através de seu sitewww.editorainterciencia.com.br ou diretamente com o autor, por meio do endereço eletrônico ronascri@gmail.com.
Faculdade Eça de Queirós:
UNIESP – Jandira: livros de professores e colaboradores ganham destaque na IES
SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014
  
uniesp faceq livros bibliotecaComo parte do projeto de leitura desenvolvido pela Faculdade Eça de Queirós - FACEQ, que objetiva não somente a formação de leitores mas também a formação de acervos individuais, a partir deste mês de abril livros de docentes e funcionários ganharam um novo local de exposição, com mais acesso por parte dos alunos, além de estarem disponíveis também para compra na biblioteca.

Trata-se de uma iniciativa que visa sobretudo incentivar os alunos a conhecerem as obras escritas por seus professores e colaboradores.

Estão disponíveis para consulta e compra os seguintes livros:

•    “Diferenças e Desigualdades na Escola” e “Olhares sobre a Educação”, que contam com artigos da professora Dra. Maria Clara Lopes Saboya
 
• “Ciências Sociais em Perspectiva de Diálogo”, com um capítulo escrito pelo professor Dr. Washington Santos Nascimento

•    “Poetas da Mário de Andrade II”, “Do Portal aos Sonhos” e “Essência de Tudo”, escritos pelo bibliotecário da IES, Ronaldo da Mota Vieira
 
•    “Geografia e Migração: Movimentos, Territórios e Territorialidades”, do professor Ms. Adriano Amaro (este apenas para consulta)
 

segunda-feira


Já a disposição no site da editora Interciência


INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA BIBLIOTECONOMIA
Ronaldo Vieira
O conteúdo deste livro contempla não apenas os temas de caráter técnico, mas também aqueles que tratam de questões humanísticas da profissão, como competências profissionais exigidas no exercício da profissão.
A apresentação dos assuntos de forma simples, organizada e abrangente certamente atenderá às necessidades informacionais de consulta rápida, como uma "obra de referência", para os futuros e novos profissionais da informação, tendo por base uma vasta e respeitada bibliografia.
Esta obra de Ronaldo Vieira é o que podemos classificar como um agradável e competente voo panorâmico sobre a biblioteconomia.

ISBN: 9788571933422
1.a Edição - 2014
Formato 17x24 cm, BROCHURA - 330 páginas


R$ 72,00

sexta-feira

O bibliotecário como agente cultural por Priscilla Melo e Ronaldo Vieira - eBook Kindle
·         R$9,83 Edição Kindle


amor Adotivo por Ronaldo Vieira - eBook Kindle
·         R$9,70 Edição Kindle

Do Portal aos Sonhos por Ronaldo Vieira - eBook Kindle
·         R$5,92 Edição Kindle


à venda na amazon .com

Meus livros agora na Amazon!!!!

Aos amigos e amigas das letras, 
convido a adquirir meus livros,
 em formato e-book, na Amazon.com
Obrigado pelo apoio!

quarta-feira

Vacuidades 11/23


Rondando o fio de ainda existir
As teias traçadas pela vontade
Inversamente a dura realidade
À vida que se deve assumir

E o que é a vida senão miragem
Misto de volúpia, desejo e paixão
Enquanto que a morte não passa de voragem
De ritos, crenças, consolo e uma doce ilusão?

O que é a vida senão vazio de morte
Alegrias artificiais até a comoção
Dependência eterna e pingo de sorte?

Seria a morte o eterno vazio de vida
O estagnar em vácuo sem ação
Ou simples desculpas d’alma prevenida

segunda-feira

Vacuidades - Parte 10/23


Submissamente
Deixou-se abandonar
Por aquela moça
Que julgava lhe amar

Nem lutas, contato ou troças
“Um canto e sossego”
Organizar os destroços
Da alma e o sabor azedo

O gosto de nada impresso
Em todo existir
E o que se aproximasse

Esgotaria o sentir
Minguá-lo até que acabasse
Até não existir

Do livro: Essência de tudo
Gostou? Compre o livro na cultura On-line

sexta-feira

``a venda no www.agbook.com.br/book/134394--O_bibliotecario_como_agente_cultural

quinta-feira

Vacuidades parte 9/23


Se céu rima tão bem com mel
E tem tanto a ver com nuvens
Luas e sonhos, porque rimá-lo com mel
E lambuzá-lo com o néctar do amor?

Porque, se a moça não vem
Se o texto é feito para o ator
Fora da realidade do homem
E não ao pássaro alado do amor?

Ainda que o amor lembre o céu
Aqui não cantarei seu esplendor
Cantarei o vazio e seu apogeu

Ainda que isso lhe cause rancor
Ou impeça de gostar deste verso meu
Com rima fácil que bate tambor


Gostou, compre o livro na livraria Cultura on line!!!

sexta-feira

Vacuidades parte 8/23

Um sopro toca o instante
O corpo que se nega a sensações
Ainda que mínimas, se nega

Injeta-se corpo adentro
Espanta tamanho espaço vazio
Vazio de vida e sentimento

Só mesmo a brisa, o vento...
A natureza sutil para tocar o corpo
Para fazer o ser sair de dentro de si

Recomeçar? Talvez uma dor forte
Dor de dente – Melhor que na alma
Que o vazio de entregar-se ao nada

À eterna calma espiritual obrigatória
Post-mortem consciente e humano
Incumbência indigna de tamanha tristeza

Triste segue a vida sem sentir nada
Nem mais o vento, o tempo ou algo
Que sugira existir este momento...

quinta-feira

Vacuidades parte 7/23


Inócuo instante
Para sentir a noite
A night, o som estridente vida
Algo igualado, delirante...

(Putz, putz, putz, bate
Grave agudo tic-tic
Ao fundo tsh, tsh, tsh
Até findar no ser: energia palpitante.)

Algo como o tudo
Que finda dia seguinte
Em meio ao sol quente
Os frangalhos de corpo:
Juntam-se á alma
Ao resto de ser algo

Len-ta-mente: Surgindo de onde
O vazio invade a mente
O sorriso mente
Humor vai decadente
De repente e certo de que
A fuga fora interrompida

domingo


VACUIDADES - PARTE 6/23
Inócuo instante
Para sentir a noite
A night, o som estridente vida
Algo igualado, delirante...

(Putz, putz, putz, bate
Grave agudo tic-tic
Ao fundo tsh, tsh, tsh
Até findar no ser: energia palpitante.)

Algo como o tudo
Que finda dia seguinte
Em meio ao sol quente
Os frangalhos de corpo:
Juntam-se á alma
Ao resto de ser algo

Len-ta-mente: Surgindo de onde
O vazio invade a mente
O sorriso mente
Humor vai decadente
De repente e certo de que
A fuga fora interrompida

sábado

vacuidades - parte 5/23

E quanto mais enche o copo
Menos volume enxergo
Assim também com o amor
Maior a falta do sentimento
Menor o tanto de ti ao lado
Como se um fantasma
Um ser esvoaçante alado
Fantasma de vida constante
E no entanto presença evasiva
Esvaindo por entre o nada
Matéria que forma o vazio
A falta que sinto da alma
Presença intrigante e cativa
Um pombo um tanto distante
E isso é o que mais intriga...

quinta-feira

vacuidades - parte 4/23

O transparente entre paredes de cristal
Transbordando voláteis invisíveis
Montes e montes de intocável matéria
A que serve tal consciência?

De que/quem cobrar o impalpável
O invisível aos humanos olhares
O camuflado das sentimentalidades
Como se clonado noutro

O inverídico de não estar
E ao mesmo tempo causando
O pesado e indigesto pulsar

Aos poucos tudo estrondando
Bate estaca alma perfura (dó)
De todos e tudo acabando...
do livro Essência de tudo

sábado

vacuidades - parte3/23

Enquanto nada submerge
Do fundo atoledo do ser
Escurece ainda mais
O alvorecer do tempo

Esclarece a triste demência
Humana e limitadora
E face ao fio da lâmina
 O risco, o corte, a ausência

A falta que tanto faz
Por causa da tal paciência
Somatizando-se ao fugaz

No canto longínqua existência
Esvazia-se de tudo mais
Tornando mera abstinência
 do livro: Essência de tudo

Vacuidades - Parte 2/23

Por fim a sobra
O indesejável
O resto de algo
Do antes quisto
Agora dejeto
Excremento, lixo
Incerto tanto quanto o gesto
Indicativo
Apontando aquilo
A sobra
O resto
Por fim

do livro: Essência de tudo

quarta-feira

vacuidades - parte1/23

O vazio desce, suplanta emoções
Abre o peito calado
Aquiesce o imortal peso dos pensamentos
Outrora poucos
Agora obesos, grandes, gulosos, enormes
E, no entanto... Pequenos, ínfimos
Em relação ao vazio
Enorme vazio que a tudo preenche
Eu, a vida, a hora e o nada
E cria galáxias infinitas, campos,
Enormes desertos indistintos em mesmice
Sempre iguais; paisagem desesperada
Lugar de sentir e jamais enxergar
Longe do olhar, da visão, do fisiológico
Do humano ato de apreciar belezas
Pressentir aos poucos a evaporação
Esvaindo do meio o sentido
Até que o vazio a tudo oculte
De resto: a casca, os órgãos perfeitos
Funcionais e sem a beleza de sentir.
do livro: ESSÊNCIA DE TUDO

terça-feira

RETICÊNCIAS

Adoro as reticências!
A intenção nos pontinhos
deixados sobre o papel
sinais de perdição
de pensamentos idos
perdidos na eternidade
que de resto
deixou a vontade
reticente, insistente
invisível, mas, presente
Aparente nos três pontinhos
do fim da frase
como se fugindo...

sábado

RONALDO VIEIRA: SEM TÍTULO

NUM PALMO DE CAMINHO LONGE
 VENTA O VENTO E TRAZ NOTÍCIAS
 DE COMO VIVE O SENTIMENTO...


 VIVE NO DESERTO ÁRIDO DO ESQUECIMENTO
 OUTRORA LUGAR CONHECIDO
AGORA NADA MAIS QUE MEMÓRIA
RECORDAÇÃO DE ANTIGA HISTÓRIA
EM QUE MEU SER INTEIRO VIVIA
do livro: Essência de tudo

SEM TÍTULO

NUM PALMO DE CAMINHO LONGE
VENTA O VENTO E TRAZ NOTÍCIAS
DE COMO VIVE O SENTIMENTO...


VIVE NO DESERTO ÁRIDO DO ESQUECIMENTO
OUTRORA LUGAR CONHECIDO
AGORA NADA MAIS QUE MEMÓRIA
RECORDAÇÃO DE ANTIGA HISTÓRIA
EM QUE MEU SER INTEIRO VIVIA
do livro Essência de tudo

terça-feira

CARDIOPATIA

NOVAMENTE
A BUSCA É FARTA
INFARTA A ALMA
BRUSCAMENTE
DO LIVRO ESSÊNCIA DE TUDO

quinta-feira

FELIZ REVEILLON

Mais um dezembro em minha vida
na vida de todos...
Mais um natal, data festiva,
data feliz, e antes de mais nada,
data comercial!!!


Tempo de paz, amor, fantasias
Tempo de presentes sob a árvore
do voo das renas puxando o bom Noel
Mas, não esqueçamos jamais;
tempo de muita hipocrisia!




Neste natal brindaremos ao espírito
da gula, do Bacco;
esqueceremos as mágoas, dificuldades,
a fome dos irmãos
e tudo o que é panfletagem


no dia 25 abraçaremos a todos
desejando o primeiro de janeiro
quando Deus estará enterrado
e finalmente comemoraremos.


do livro  ESSÊNCIA DE TUDO

sexta-feira

FELIZ NATAL!!!!

... Um momento doce e cheio de significado para as nossas vidas.
É tempo de repensar valores, de ponderar sobre a vida e tudo que a cerca.
É momento de deixar nascer essa criança pura, inocente e cheia de esperança que mora dentro de nossos corações.
É sempre tempo de contemplar aquele menino pobre, que nasceu numa manjedoura, para nos fazer entender que o ser humano vale por aquilo que é e faz, e nunca por aquilo que possui.

Noite cristã, onde a alegria invade nossos corações trazendo a paz e a harmonia.

O Natal é um dia festivo e espero que o seu olhar possa estar voltado para uma festa maior, a festa do nascimento de Cristo dentro de seu coração.
Que neste Natal você e sua família sintam mais forte ainda o significado da palavra amor, que traga raios de luz que iluminem o seu caminho e transformem o seu coração a cada dia, fazendo que você viva sempre com muita felicidade.

Também é tempo de refazer planos, reconsiderar os equívocos e retomar o caminho para uma vida cada vez maisfeliz.
Teremos outras 365 novas oportunidades de dizer à vida, que de fato queremos ser plenamente felizes.

Que queremos viver cada dia, cada hora e cada minuto em sua plenitude, como se fosse o último.
Que queremos renovação e buscaremos os grandes milagres da vida a cada instante.
Todo Ano Novo é hora de renascer, de florescer, de viver de novo.
Aproveite este ano que está chegando para realizar todos os seus sonhos!

FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO PARA TODOS!

quarta-feira

Sem título

A vagar calmamente sobre a cabeça
um excesso de confiança que disfarça
submete o ser que há naquele corpo
as desilusões, desse mundo em que está inserido


Bravamente luta a alma contra o corpo
Incessantemente o corpo a nega carona
e se esvai por caminhos tortuosos
por desertos e pântanos impossíveis


Haveria aqui uma história a ser descrita
haveria certamente um protagonista
mas, infelizmente a regra não se aplica


pois, de forma muito simplista
finda-se a história, que certamente dista
da verdade que aqui não se admite.


do livro "Essência de tudo"

domingo

TRAIÇÃO

Segredos violados por boca e lábios
que ainda amados
tem traído...


Fadado a eterno desagravo
ainda espanta
o ocorrido...
do livro Essência de tudo

sexta-feira

MENSAGEM

De dentro, bem dentro, dentrinho
dai feito ouro, pedra preciosa
o que ninguém esperava sair, saiu assim:
Com poder! Feito coisa ociosa,
em forma de palavras.


Fortes são os verbos ditos,
marcam com profundidade a quem lê;
e quem lê, jamais esquece, porque a palavra...
a palavra dito-escrita volta jamais!


O agravo marca mais que tapa na cara
mais que tiro na perna... Preciosidade!
É o que digo, não importa se fere ou se cura,
mas sim, A mensagem que levam as palavras!


E quando não as falo...
Esperava mais de minha mente imaginativa!

terça-feira

EM SUA ÓRBITA

ESTAVA OLHANDO A BORBOLETA AZUL E PRETA
QUE VOA, VOA, VOA ATÉ VIRAR COMIDA DE ANDORINHAS;
QUE VOA, VOA, VOA ATÉ VIRAR O TEMPO, TEMPORÃO;
QUE VOA, VOA, VOA E COM OUTRAS NÃO FAZ VERÃO.
MAS QUE COISA BOA DEVE SER VOAR...

ÀS VEZES FEITO ANDORINHA RUMO A SEU OLHAR
VOCÊ BORBOLETA AZUL E PRETA - PINGO NO AR.
VOO APENAS NO OLHAR, PERDIDO EM SUA DIREÇÃO
VOO E ROGO PARA QUE NÃO FAÇA VERÃO.

EXCITO O PÁSSARO ALADO DO SENTIMENTO
BUSCANDO ETERNIZAR O TEMPO
CORTO AZAS QUE LEVARIAM AO ENCONTRO.

CONTENTO-ME EM NÃO VOAR MAIS
EM TEMPO, POIS OS OLHOS SÃO MAIS QUE O VOO
SÃO OS OLHOS DE MEU CORAÇÃO BATENDO
TUM-TUM, TUM-TUM, TUM-TUM...

domingo

PEDIDO SECRETO

Como recuperar o tempo perdido...

Talvez o vento o traga novamente,


De forma secreta, num pedido,


como o que se faz a estrela cadente...

 do livro: Essência de tudo.

sábado

OBSERVAÇÕES - Ronaldo Vieira


Vejo plantas de plástico
Quase vivas
Ao lado das vivas
Quase mortas
(expostas)
Em prateleiras brancas
Preferidas
Por compradores tortos
Semimortos
Olhos verdes, espinhentos
Mal-humorados
Quase vivos
Frios, sem sentimentos
Como as flores de plástico
Paradas
Em mesas nas casas
Pegando pó
Fazendo flores chorar
(chega a dar dó)
Seres ainda vivos
Na sala
No ambiente morto
Com objetos sólidos
Nus, pesados, mórbidos
Sem luz, parados, sentados
Quase mortos
Olhando flores
Já mortas – o frio corta minha espinha
Abro a porta
Entrevejo;
Plantas de plástico “quase vivas!”
poesia do livro essência de tudo/2009 - Meireles editorial

O mundo anda confuso... - Ronaldo Vieira

17 - SEM TÍTULO (03.07.2007)
O mundo anda confuso
Tão confuso... E feito mudo
Quieto, gato manso
Cansando-se do abuso.

Abusa-se tanto o mundo mudo
Que, com efeito,
De manso gato torna-se irado
E acuado ataca ao ser atacado.
do livro "Essência de tudo"

segunda-feira

MONOPOLIZAR AS CORES? - RONALDO VIEIRA

MONOPOLIZAR AS CORES?
O cinza de cada esquina
De cada prédio, muro ou avenida
Confundem-se com a vida.

Basta olhar para um rosto
E encontrar ali um pedaço de prédio
Pedaço de muro ou de meio fio

Apesar das formas diferentes
A cor insistente as torna como se gêmeas
São milhares de gêmeos cinzentos
Sob um céu da mesma cor
Sobre os olhos
A pele, alma e roupas
Tudo cinza!

Não há viva cor de vitrine
Que consiga colorir estas cútis
Estes tecidos que as cobrem, não há!

E nada que se diga, ou se faça
Servirá para aquecer ou enrubescer
As faces, as mãos e coração...

Talvez isso seja sobreviver
Talvez isso seja normal
Ou apenas uma forma de monopolizar as cores?
do livro "Essência de tudo"

domingo

Dica de leitura - Do portal aos sonhos - Infanto juvenil


Livro: Do Portal aos Sonhos - 2003

Livro: Do Portal aos Sonhos - 2003
Ficção infanto-juvenil - A venda na livraria Cultura on-line

sexta-feira

ENTREVISTA NO SITE: vilamundo.org.br EM 16/09/2011


Ronaldo Vieira em verso e prosa

Gustavo Angimahtz em 16/09/11

Livros infantis, romances e poesia, Ronaldo é um homem com várias habilidades literárias.
Para os amantes da literatura, eis uma dica de leitura. Trata-se do escritor Ronaldo Vieira, fanático pelas letras que, aos 46 anos, estuda biblioteconomia para trabalhar com o que acredita ser sua vocação: os livros.
Ronaldo é pai de dois filhos e, até então, já publicou três livros além da participação em outras publicações junto a outros autores. A versatilidade do artista se reflete em seus trabalhos: o primeiro, intitulado “Do Portal aos Sonhos”, é voltado para o público infanto-juvenil; o segundo, de nome “Essência de Tudo”, reúne poesias; e por fim o romance “Agente de Deus”. Este último, de acordo com o autor, não é religioso.
Seu blog, batizado com a mesma alcunha que seu pai lhe dera, Ronaldo Vieira, trata de literatura em geral. Quando está com tempo, Ronaldo escreve seus poemas, contos e textos; e quando lhe faltam momentos para exercer a escrita, dá dicas de livros, textos e posta poemas de outros autores, famosos ou não. Posta novidades ao menos todas as semanas, e as dicas variam de Drummond a Vinícius. Além da interação virtual, também frequenta saraus próximos à sua casa, na zona sul de São Paulo, como o Cooperifa, Sopa de Letrinhas e o sarau do Bar do Binho, voltado para literatura marginal.
Vez em quando, passeia pela Vila Madalena, pois a efervescência artística do bairro o agrada muito. “Vou à feirinha da Benedito, na Livraria Cultura, passeio pelos bares. Eu adoro a Vila Madalena”, confirma o escritor.
“Eu escrevo há bastante tempo, e o blog é a maneira que encontrei de divulgar o que produzo e gosto, além de me comunicar com os amigos”, conta o escritor. A seleção para o conteúdo é baseada em seu gosto pessoal e a ferramenta virtual do rapaz não foi feita para ser um diário, mas sim um apanhado de ideias e dicas.
Para se inspirar, não precisa de muito. “Considero-me meio impulsivo. Já comecei escrevendo poema que se tornou livro. De repente, eu faço um conto. Não me prendo muito a estilo, como o pessoal diz por aí, a literatura tem vida própria”, revela o autêntico autor. Por outro lado, mesmo com essa versatilidade, Ronaldo sabe bem aonde quer chegar com suas palavras: “Acredito em inspiração, independente da forma como ela venha. João Cabral de Melo Neto gostava de ficar trabalhando. Eu gosto mais de texto curto, poesia, um conto. O texto mais longo, a gente começa a escrever e não sabe onde vai dar”.
Ronaldo se inspira no cotidiano e considera seus personagens atuais. Sua alma de poeta fica clara quando deixa uma linda aposta que faz para si todos os dias ao relembrar uma fala de um de seus poetas prediletos: “Um poeta do interior chamado Ednardo (assim mesmo, sem sobrenome) diz que ‘primeiro é preciso viver para depois poetar’”.